Boas Vindas
Quem Somos
Nossa História
Missão e Visão
Estrutura
Tratamentos
Depoimentos
Internação
Contatos
Parceiros
Carnês
Doações
Depósito em C/C
Eventos & Palestras
Notícias
Literaturas
Vídeos

Canais > Notícias

Assistência Social - Cresce Atendimento ao Caps AD

Existem hoje em Fortaleza seis Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas, vinculados à Secretaria Municipal da Saúde. Uma unidade para cada Secretaria Executiva Regional (SER) que, juntas, possuem uma demanda de cerca de 21mil pessoas com transtornos graves por uso de álcool e drogas. De acordo com a coordenadora do Caps AD da SER III, Socorro Oliveira Santos, os casos vêm crescendo bastante e grande parte do histórico dos pacientes atendidos referem-se ao início de uso do álcool na adolescência, aliado a outros tipos de drogas. "É uma fase de alerta tanto para a promoção da saúde, como para prevenção da dogradição", ressaltou.

A entrada nos Caps se dá por demanda espontânea e por encaminhamento de instituições. Somente na Regional III, que atende jovens e adultos a partir dos 16 anos, são em média 1.300 pacientes cadastrados. Crianças e adolescentes com até 15 anos são atendidos no Centro de Atenção Psicossocial Infantil (Capsi). Os centros desenvolvem programas que procuram restabelecer o convívio social com a família, escola e comunidades das pessoas que os procuram. O principal objetivo é criar espaços de socialização.

Todo o contexto de atendimento é interdisciplinar. São profissionais de diferentes áreas, como enfermagem, psicologia, terapia ocupacional, psiquiatria e assistência social, atuando em conjunto para um trabalho motivacional e de redução de danos.

Uma das funções do Caps é evitar a internação ou regime hospitalar, visando a reinserção do indivíduo na sociedade e no seio da família. As internações são encaminhamentos dados em situações excepcionais, explicou o psiquiatra do Caps AD, Paulo Rodrigues. "Quando o paciente é incluído no serviço é traçado um plano terapêutico, que inclui consultas médicas e atividades nos grupos".

As principais dificuldades enfrentadas pelo órgão se dão pela quantidade de desistências e não retorno dos adolescentes após as recaídas. "Eles ficam com vergonha e dificilmente nós conseguimos trazê-los para a retomada do tratamento", disse Socorro Santos. Uma segunda deficiência, apontada pela coordenadora, é a falta de apoio de outras instituições para o fornecimento de cursos profissionalizantes e oportunidades de trabalho.

Os interessados em ajudar podem procurar a unidade, especialmente para a doação de livros paradidáticos, cds e filmes, que devem ser usados no Cine Caps, toda sexta-feira.

Mais informações:
Caps AD (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas)
Rua Pápi Júnior, s/n, em frente ao Hospital do Câncer
(85) 3281.4254 / 3105.3420


Voltar

Nossos Parceiros :



Desenvolvido por www.indicedecompras.com.br